Mini Pilar não Angulável Arcsys

São componentes protéticos aparafusáveis desenvolvidos em ligas especiais de alta resistência e biocompatibilidade, indicados para reabilitações aparafusáveis unitárias ou múltiplas.

São confeccionados em aço inoxidável em conformidade com a norma ASTM F138 e ABNT NBR ISO 5832-1. Possuem elevada resistência mecânica e versatilidade clínica.

Sistema de implantes inteligente e revolucionário

Benefícios

Design inteligente:
Permite a edificação de próteses rotacionais e antirrotacionais, unitárias ou múltiplas.

Aço inoxidável:
Produto biocompatível, altamente resistente e confiável.

100% inspecionados:
As conexões são produzidas com elevado grau de qualidade, havendo inspeção “um a um” em toda a linha de componentes protéticos.

Intercambialidade:
Os Componentes Protéticos Arcsys são intercambiáveis. Ou seja, podem ser utilizados independentemente do diâmetro do implante selecionado.

Versatilidade:
Disponíveis com diferentes alturas e diâmetros para atender as variações do espaço protético e fenótipo gengival.

Segurança:
Seu projeto maciço e robusto assegura o uso com taxa de sucesso muito superior aos concorrentes do mercado, chegando a ser 3x mais resistente.

Indicações

Intermediário entre o implante e a prótese (coroa). Esse componente protético está disponível com diferentes alturas para atender as variações de espessura de mucosa.

FAQ

A altura transmucosa compreende a distância que vai do topo do implante ao início da prótese. Por se tratar de um sistema Morse, o implante deverá ser submerso em relação ao nível ósseo (2-3mm). A essa distância, soma-se a espessura da gengiva. O valor total obtido deverá permitir a formação de um novo espaço biológico, devendo o reabilitador estar atento à necessidade de esconder o término gengival em aproximadamente 1mm. Esses valores deverão ser mensurados com o medidor transmucoso. A decisão sobre a altura também pode ser postergada para depois do condicionamento feito pelo cicatrizador, e só então fazer a escolha do componente. Importante: É fundamental ativar o componente selecionado somente após a certificação da escolha da altura correta. Do contrário, poderá haver soltura, subembricamento, exposição do término protético, etc. Além disso, caso haja dano durante a substituição do componente, poderá haver o comprometimento da qualidade da conexão.

Os fatores físicos. Por isso, é muito importante observá-los para garantir a passividade da penetração do componente na câmara do implante: 1) Fragmentos dentro do implante impedindo a descida do componente. Solução: Irrigar o interior do implante sob pressão e aspirar com cânula endodôntica (atenção redobrada quando ele foi instalado associado a preenchimento de gaps). 2) Excesso de líquido (sangue/soro) dentro do implante. Solução: Irrigar o interior do implante sob pressão e aspirar com cânula endodôntica. 3) Seleção correta da altura do transmucoso, de forma que ela permita que o componente desça até seu curso final no implante sem interferir nas cristas ósseas ou tecidos moles. Solução: Adeque a altura transmucosa de modo a evitar a pressão do tecido mole sobre o componente e verifique se há passividade na sua descida. Em caso de contato com a crista óssea, é necessário escariar a região para garantir a passividade do assentamento. 4) Acionamento do Martelete conforme preconizado. Solução: Alinhar o Martelete ao longo eixo do implante, conforme instruções de uso, acionar corretamente o gatilho (segurando na área especificada) e aplicar no mínimo 3 impactos completos. 5) Pontos de contato na porção protética impedindo a descida do conjunto prótese/componente quando estes estiverem unidos. Solução: Checar os pontos de contato da prótese e aliviar, se necessário. Checar com fio dental. 6) Ajuste oclusal (ausência de guias de desoclusão). Solução: Ajustar guias anterior e lateral. Em oclusão (MIH) suave, a prótese não deve ser marcada pelo AccuFilm. Em oclusão forçada, a prótese deve apresentar leve marcação. Isso se deve pela ausência de ligamento periodontal.

Sua reversibilidade é possível e segura, desde que o profissional apreenda o componente com sua respectiva chave extratora. Basta realizar os movimentos de torção e tração simultaneamente (cerca de 30N são suficientes para “anular” o efeito Morse). Importante avaliar a presença de parafunções (como o bruxismo). Nesses casos, a oclusão precisa estar ajustada de acordo com as premissas básicas que a regem (liberdade dos movimentos excursivos e toque seletivo durante as guias de desoclusão). Não há possibilidade de soltura do componente protético durante função mastigatória, uma vez que o sentido compressivo favorece ainda mais o embricamento dos componentes.

A remoção de coroas provisórias ou transferentes multifuncionais utilizados como coifas deverá ser feita somente por meio do movimento de tração (sem rotação). Nessas situações, ele se desprenderá com força inferior a 212N, força necessária para a liberação do conjunto (implante/componente) após 3 impactos pelo martelete.

Sim. Isso poderá ocorrer em duas situações específicas: 1) Se a força aplicada para o torque do parafuso protético ultrapassar 30N (recomenda-se 10N para a sua estabilização). 2) Se o componente protético estiver subembricado. Nesse caso, ele não estará ativado por completo, e seu embricamento poderá ser revertido com força inferior a 30N.

A norma ABNT NBR 16044 define os requisitos gerais para implantes dentários. Nela são especificadas diversas questões, como o contato com materiais de diferentes composições químicas. Essa norma faz citação a outra (ABNT ISO 21534), que define a combinação do aço inoxidável ASTM F138 (a ser utilizado como material de fabricação do pilar) e do Ti6Al4V (que é utilizado na fabricação do implante) como adequada para a aplicação biomédica, podendo ser utilizada sem maiores problemas. Vale lembrar que a maioria dos sistemas concorrentes já trabalham com divergência químico-mecânica entre as ligas utilizadas nos implantes (G4) e componentes (G5) . O desgaste entre as faces existirá quando ambas estiverem em movimentos divergentes, o que não ocorre em razão da indexação rígida promovida pela confiabilidade da usinagem. Você poderá acompanhar o artigo que valida a segurança e resistência da conexão no link a seguir: http://goo.gl/gGMwBb

O acionamento deve ser realizado por impacto mecânico, por meio de dispositivo próprio. O Martelete foi projetado para proporcionar esse acionamento de maneira adequada, conferindo segurança para o usuário. O travamento ideal é realizado pela quantidade de batidas que o profissional submete ao componente protético. Recomendamos ao menos 3 (três) impactos, para proporcionar um travamento confiável. O profissional pode “complementar” a ativação com mais impactos; isso não traz qualquer malefício ao conjunto.

Os componentes protéticos são fabricados em aço inoxidável, indicado para uso em produtos implantáveis, em conformidade com a norma americana ASTM F138.

Realizamos ensaios de fadiga estática no componente montado sobre o implante, onde selecionamos a condição mais crítica, definida pelo componente de maior altura de transmucoso e menor robustez (Munhão Angulável Arcsys 3x6x5,5mm já angulado a 20°). Esse ensaio foi conduzido conforme norma ABNT NBR ISO 14801, que define um método padronizado para verificação da resistência mecânica dos componentes sobre fadiga estática (ensaio de compressão) e fadiga dinâmica. Para esse teste, o componente resistiu a um valor médio de 1725N. Ou seja, um valor muito superior ao do estudo realizado por Ferrario et al (2004), onde a média da força máxima aplicada sobre um dente unitário (primeiro molar) de um indivíduo adulto, saudável e do sexo masculino é de aproximadamente 306N.

Embora seja inédita na implantodontia, a liga utilizada é implantável e já utilizada há muito tempo na área médica em dispositivos implantares, justamente por sua adequada resposta biológica aos tecidos, conforme evidenciada pela norma americana ASTM F138.

plugins premium WordPress

Selecione seu idioma

Select your language