Longevidade estética peri-implantar

A implantodontia é detentora de ferramentas capazes de resultados estéticos extraordinários. Outrora, a implantodontia como ciência demonstrou a capacidade de reprodução metódica da osseointegração. Entretanto, à luz do conhecimento contemporâneo, buscas e a previsibilidade da estabilidade marginal dos tecidos peri-implantares (ausência de recessão e presença de papila), diminuições da morbidade e do tempo de tratamento. Jamais, a implantodontia vivenciou a magnitude atual da procura pela harmonia no nível, contorno, coloração, textura, quantidade e qualidade da mucosa peri-implantar.

A longevidade da estética rosa peri-implantar é possível e passível de prenúncio. Contudo, a interpretação que remete à imutabilidade, com o que não está sujeito a ser alterado, deve ser utilizada com precaução. Afinal, a factibilidade da imutabilidade dos tecidos peri-implantares ao longo do tempo é discutível. Todavia, a longevidade dos mesmos foi evidenciada por pesquisas inúmeras, e hoje sabemos que a estabilidade marginal longeva é influenciada por fatores diversos, tais como:

  • Exodontia minimamente traumática;
  • Abordagens terapêuticas (implante imediato, preenchimento do alvéolo com biomateriais de baixa taxa de reabsorção e regeneração óssea guiada) que minimizam a perda óssea pós-exodontia;
  • Tipo de conexão implante/componente protético;
  • Fenótipo tecidual;
  • Posicionamento tridimensional do implante.

O conhecimento destes determinantes supracitados proporciona abordagens preventivas e intervencionistas para a longevidade estética. O nível da crista óssea influencia o posicionamento da margem da mucosa peri-implantar e a presença da papila relaciona-se com a integridade do septo ósseo interproximal.

Exodontia minimamente traumática

A exodontia minimamente traumática, com ausência de retalho e sem movimentos pendulares, é a etapa primordial da estabilidade marginal dos tecidos peri-implantares, pois minimiza a magnitude da inevitável perda óssea pós-exodontia. Esta acontece, fugaz e intensamente, nas direções horizontal (mais acentuada) e vertical. Nesta dinâmica reparadora, a reabsorção do osso fasciculado (porção da cortical alveolar que recebe as fibras de Sharpey do ligamento periodontal) é relevante. O osso fasciculado é dente-dependente, após à exodontia será integralmente reabsorvido, porque perderá sua função (promover a inserção das fibras de Sharpey do ligamento periodontal) e a principal fonte de vascularização (via canais de Volkmann do ligamento periodontal). A pertinência da perda do osso fasciculado vincula-se à prevalência altíssima de paredes vestibulares delgadas (praticamente constituída por este tecido ósseo dente-pendente). Assim, a perda óssea vestibular é mais acentuada, com inquestionável repercussão estética. Pelo exposto, os conceitos de preservação ou reconstrução alveolar após à exodontia são errôneos, o alvéolo existe pela presença do dente.

Abordagens que minimizam o volume da perda óssea pós-exodontia

Seguindo-se a exodontia pode-se elencar três alternativas terapêuticas: preenchimento do alvéolo pelo coágulo, preenchimento do alvéolo por biomaterial de baixa taxa de reabsorção e/ou regeneração óssea guiada ou implante imediato. Infelizmente, a técnica mais popular, o preenchimento do alvéolo pelo coágulo, é a menos indicada. A odontologia baseada em evidências científicas (revisões sistemáticas e estudos prospectivos randômicos) demonstrou maior magnitude de perda do volume ósseo com o preenchimento do alvéolo com coágulo, em comparação com abordagens que objetivaram a minimização da reabsorção óssea (preenchimento com biomaterial de baixa taxa de reabsorção com ou sem regeneração óssea guiada ou implante imediato). Numa escala hierárquica, a primeira opção deve ser o implante imediato. Na impossibilidade deste, a escolha recai sobre o preenchimento do alvéolo com biomaterial com ou sem regeneração óssea guiada. O implante imediato possibilita a manutenção da forma parabólica da margem da mucosa peri-implantar, semelhante aos dentes adjacentes (com as margens gengivais paralelas às junções cemento-esmalte). A abordagem palatina promove a presença do gap entre o implante e a parede vestibular. Este gap deve ser preenchido por biomaterial com baixa taxa de reabsorção (preferencialmente cerâmica bifásica), para compensar a inevitável reabsorção do osso fasciculado. Atualmente, pode-se indicar o implante imediato mesmo com a prévia reabsorção da parede vestibular, desde que exista integridade proximal. O implante imediato com a concomitante reconstrução da parede vestibular é uma abordagem clínica rotineira e previsível.

Tipo de conexão implante/componente protético

A integridade da crista óssea é dependente do tipo de conexão implante/componente protético. Nas hexagonais haverá inevitáveis perdas ósseas verticais e horizontais, com a configuração da “saucerização” óssea. Esta perda óssea peri-implantar deriva-se da micromovimentação da conexão implante/componente protético, presença do gap e do posicionamento do espaço biológico. Consequentemente, nas conexões hexagonais a micromovimentação promoverá migração apical do epitélio juncional; o gap será povoado por biofilme bacteriano e o espaço biológico formar-se-á abaixo da interface componente protético/ implante. Recorde-se que nas conexões hexagonais os implantes são colocados ao nível ou ligeiramente abaixo da crista óssea. Neste desenvolvimento, o epitélio juncional não se adaptará (através de lâmina basal e hemidesmossomas) sobre a interface (localizada ao nível ou ligeiramente apical à crista óssea) com micromovimentação e contaminada pelo biofilme bacteriano. Logo, ocorrerá perda óssea vertical de aproximadamente 1,5 a 2,0 mm (espaço necessário para adaptações do epitélio juncional e adesão conjuntiva) e o espaço biológico se formará sobre o implante. Em acréscimo, nas conexões hexagonais observam-se perdas ósseas horizontais de 1,3 a 1,4 mm.

Nas conexões cônicas, não ocorrerá a micromovimentação, inexistirá o gap/biofilme e o espaço biológico se formará coronal à interface componente protético/implante. Lembre-se que nas conexões cônicas os implantes são posicionados cerca de 2,0 mm apicais às cristas ósseas. Neste processo, o epitélio juncional e a adesão conjuntiva se formarão sobre o componente protético. A perda óssea peri-implantar fisiológica é rara, evidencia-se a estabilidade marginal dos tecidos peri-implantares. Pelo exposto, as conexões hexagonais são contraindicadas para áreas estéticas? A resposta é: não são contraindicadas. Contudo, o clínico sabedor das irrevogáveis perdas ósseas verticais e horizontais deverá analisar o fenótipo tecidual e ser cuidadoso com o posicionamento tridimensional do implante. Fenótipo não espesso (fi no ou intermediário) associado com perdas ósseas peri-implantares resultará em instabilidade marginal. Soma-se a preocupação com o posicionamento tridimensional, em função das perdas ósseas horizontais, para as integridades das papilas proximais. Portanto, as conexões hexagonais não são contraindicadas em sítios com exigências estéticas, mas em tais situações a eleição deve ser, prioritariamente, pelas conexões cônicas.

Fenótipo tecidual

O fenótipo (espessura) tecidual está relacionado intrinsecamente com a estabilidade marginal dos tecidos periodontais e peri-implantares. Avaliam-se as espessuras teciduais da gengiva/mucosa peri-implantar e da parede óssea vestibular. Logicamente, o fenótipo tecidual é mais crítico para as conexões hexagonais. Fenótipos não espessos são sinônimos de instabilidade marginal e sugestivos de indicação da alteração fenotípica. Infelizmente, a prevalência de fenótipos não espessos é altíssima.

A alteração fenotípica da mucosa peri-implantar é realizada, geralmente, por enxertos de tecido conjuntivo subepitelial ou técnicas pediculadas (e.g. técnica do ‘rolo”). A modificação fenotípica da parede vestibular frequentemente é feita pela utilização de cerâmicas bifásicas associadas à regeneração óssea guiada.

Posicionamento tridimensional do implante

O posicionamento tridimensional, baseado no planejamento reverso, é fundamental para a ausência de recessão (nível da crista óssea vestibular) e presença de papila (nível e existência do septo interproximal). Neste contexto, a perda óssea horizontal (mesial, distal, vestibular, lingual/palatal) de 1,3 a 1,4 mm correlacionada com as conexões hexagonais converte-se em importante fator da localização do(s) implante(s). A distância mínima entre um implante de conexão hexagonal e um dente adjacente, para a existência do septo ósseo interproximal, é de 1,5 mm e, entre dois implantes de conexões hexagonais, é de 3,0 mm. No sentido vestíbulo/lingual (palatal), o posicionamento do implante deve garantir a existência da parede vestibular. Todavia, nas conexões cônicas e nas plataformas switchings, pela inexistência das perdas horizontais, os implantes podem ficar mais próximos dos dentes adjacentes ou entre si. A possibilidade da customização do intermediário protético (entre 0° e 20°), permitida pelo sistema Arcsys, é uma ferramenta poderosa e exclusiva que facilita o planejamento cirúrgico/ protético. Porém, a customização não subjuga o soberano planejamento reverso.

Caso Clínico

Caso clínico cedido pelos professores Dr. Bernardo Passoni e Dr. Rodrigo M. Ferreira.

O caso clínico que ilustra essa matéria sintetiza as abordagens preventivas e terapêuticas. Assim, foram realizados os procedimentos de exodontia minimamente traumática; colocação do implante imediato com conexão friccional com abordagem palatina; preenchimento do gap com cerâmica bifásica; enxerto de tecido conjuntivo subepitelial e confecções de próteses sobre dente e sobre implante.

 

1 1 - Longevidade estética peri-implantar
O dente 21 apresenta indicação de exodontia e possui ampla perda da parede vestibular

 

2 1 - Longevidade estética peri-implantar
Vista vestibular: exodontia minimamente traumática (sem retalho e com uso de periótomo).

 

3 - Longevidade estética peri-implantar
Vista oclusal: exodontia minimamente traumática (sem retalho e com uso de periótomo).

 

4 - Longevidade estética peri-implantar
Posicionamento tridimensional do implante Arcsys com abordagem palatina.

 

5 2 - Longevidade estética peri-implantar
Preenchimento do gap com cerâmica bifásica (Nanosynt) para reconstrução da parede vestibular e formação de fenótipo ósseo espesso.

 

6 1 - Longevidade estética peri-implantar
Enxerto de tecido conjuntivo subepitelial para alteração fenotípica da mucosa-implantar.

 

7 e1696593487221 - Longevidade estética peri-implantar
Exuberância da estética rosa periodontal e peri-implantar. Ausência de recessões marginais e presença das papilas proximais. Estabilidade marginal em dente e implante.

 

8 1 - Longevidade estética peri-implantar
Imagens tomográficas da reconstrução e alteração fenotípica da parede vestibular.

 

Autor: Dr. Ricardo de Souza Magini

Professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Professor do Programa de Pós-Graduação em Odontologia da UFSC, área de concentração de implantodontia.

Especialista, Mestre e Doutor em Periodontia pela Universidade de São Paulo-Faculdade de Odontologia de Bauru.

 

LOGO ofertas imperdiveis - Longevidade estética peri-implantar

Shop FGM Implants

Diversos combos com condições imperdíveis.

Ofertas Imperdíveis

Diversos combos com condições imperdíveis.

Shop FGM Implants

Um mundo de soluções inteligentes, em apenas alguns cliques!

Email
LinkedIn
Telegram
Facebook
Treinamento online e gratuito

Outros artigos do blog

plugins premium WordPress

Shop FGM Implants

Componentes Arcsys, Vezza e Fluxo Digital até 60% OFF, promoções em Brocas, kit cirúrgicos e muito mais.