Pinos em fibra de vidro anatomizados: o passo a passo da rotina clínica

Autores: Dr. Raphael Monte Alto, Dra. Helena Klemba, Dra. Ariane Vaz Storrer, Dra. Francieli Suntak, Dra. Luany Halaiko, Jucimara Klemba e TPD Miguel Abrão

AVALIAÇÃO INICIAL

Após anamnese, exame clínico e radiográfico foi observada a presença de uma coroa total em resina acrílica deficiente cimentada provisoriamente. O tratamento endodôntico estava adequado sem sintomatologia dolorosa e nem alterações periapicais.

Após a remoção da coroa, foi observada a presença de pouco remanescente coronário sendo planejada então a reconstrução através de um pino em fibra de vidro anatômico e futura coroa total em cerâmica pura.

TRATAMENTO EXECUTADO

Foi feita a remoção da restauração em resina e avaliação do remanescente coronário. Após odontometria, utilizando uma broca de largo número 2, foi removida a guta-percha mantendo 5 mm na região apical. Com uma escova de profilaxia intra canal foi realizada a limpeza do conduto para a remoção de restos de gutapercha e cimento endodôntico. Após a limpeza do conduto foi provado o pino Whitepost System DC 1. A opção por um pino de menor diâmetro que o conduto tem como objetivo anatomizar o pino com resina composta. Esse procedimento, além de permitir uma melhor retenção friccional com o conduto, permite o posicionamento no pino bem centralizado ao munhão em resina composta.

Para evitar que a resina composta fique retida no conduto o mesmo foi isolado com um gel a base de água. O pino foi limpo com uma gaze e álcool e um adesivo passado sobre sua superfície. Com uma resina composta de dentina Vittra APS (DA2) foi modelado um cone, sobre a porção apical do pino em fibra de vidro, com as dimensões compatíveis com o conduto. O conjunto foi então levado lentamente para que a resina composta copiasse o formato do conduto. Após a inserção total do pino na sua odontometria, a resina composta cervical foi levemente condensada para perfeita adaptação na região cervical. Com um fotoativador foi realizada uma fotoativação de 5s, então remove-se cerca de 2 mm o pino, retorna para mesma posição e aplica-se mais 5s de luz. Realiza-se esse procedimento até que o pino saia quase todo polimerizado.

Antes da remoção total do pino é realizada uma marcação para a identificação da face vestibular.

Com o conjunto pino resina fora da boca é realizada a polimerização complementar. Foi realizada a lavagem do conduto, reinserção do pino e preenchimento da porção coronária com a mesma resina composta. Com o conjunto em posição, é realizado o preparo para coroa total, logo após, com uma pinça hemostática foi realizada a remoção do conjunto. Para a cimentação final o conduto foi lavado abundantemente, seco com cones de papel e o pino limpo com uma gaze e álcool. O adesivo Ambar Universal APS foi aplicado no conduto e o cimento Allcem Core utilizado para a cimentação final. Após a remoção do isolamento, o preparo foi finalizado e realizado uma moldagem. O molde foi enviado para o laboratório Singulares (TPD Miguel Abrão) onde uma coroas em dissilicato foi realizada. A coroa foi cimentada com Allcem Veneer APS e Ambar Universal APS.

PASSO A PASSO

 

 

 
Treinamento online e gratuito

Posts mais recentes

Email
LinkedIn
Telegram
Facebook
Treinamento online e gratuito

Outros artigos do blog

plugins premium WordPress