Calendar icon

06/05/2022

Pinos em fibra de vidro anatomizados: o passo a passo da rotina clínica

Autores: Dr. Raphael Monte Alto, Dra. Helena Klemba, Dra. Ariane Vaz Storrer, Dra. Francieli Suntak, Dra. Luany Halaiko, Jucimara Klemba e TPD Miguel Abrão

AVALIAÇÃO INICIAL

Após anamnese, exame clínico e radiográfico foi observada a presença de uma coroa total em resina acrílica deficiente cimentada provisoriamente. O tratamento endodôntico estava adequado sem sintomatologia dolorosa e nem alterações periapicais.

Após a remoção da coroa, foi observada a presença de pouco remanescente coronário sendo planejada então a reconstrução através de um pino em fibra de vidro anatômico e futura coroa total em cerâmica pura.

TRATAMENTO EXECUTADO

Foi feita a remoção da restauração em resina e avaliação do remanescente coronário. Após odontometria, utilizando uma broca de largo número 2, foi removida a guta-percha mantendo 5 mm na região apical. Com uma escova de profilaxia intra canal foi realizada a limpeza do conduto para a remoção de restos de gutapercha e cimento endodôntico. Após a limpeza do conduto foi provado o pino Whitepost System DC 1. A opção por um pino de menor diâmetro que o conduto tem como objetivo anatomizar o pino com resina composta. Esse procedimento, além de permitir uma melhor retenção friccional com o conduto, permite o posicionamento no pino bem centralizado ao munhão em resina composta.

Para evitar que a resina composta fique retida no conduto o mesmo foi isolado com um gel a base de água. O pino foi limpo com uma gaze e álcool e um adesivo passado sobre sua superfície. Com uma resina composta de dentina Vittra APS (DA2) foi modelado um cone, sobre a porção apical do pino em fibra de vidro, com as dimensões compatíveis com o conduto. O conjunto foi então levado lentamente para que a resina composta copiasse o formato do conduto. Após a inserção total do pino na sua odontometria, a resina composta cervical foi levemente condensada para perfeita adaptação na região cervical. Com um fotoativador foi realizada uma fotoativação de 5s, então remove-se cerca de 2 mm o pino, retorna para mesma posição e aplica-se mais 5s de luz. Realiza-se esse procedimento até que o pino saia quase todo polimerizado.

Antes da remoção total do pino é realizada uma marcação para a identificação da face vestibular.

Com o conjunto pino resina fora da boca é realizada a polimerização complementar. Foi realizada a lavagem do conduto, reinserção do pino e preenchimento da porção coronária com a mesma resina composta. Com o conjunto em posição, é realizado o preparo para coroa total, logo após, com uma pinça hemostática foi realizada a remoção do conjunto. Para a cimentação final o conduto foi lavado abundantemente, seco com cones de papel e o pino limpo com uma gaze e álcool. O adesivo Ambar Universal APS foi aplicado no conduto e o cimento Allcem Core utilizado para a cimentação final. Após a remoção do isolamento, o preparo foi finalizado e realizado uma moldagem. O molde foi enviado para o laboratório Singulares (TPD Miguel Abrão) onde uma coroas em dissilicato foi realizada. A coroa foi cimentada com Allcem Veneer APS e Ambar Universal APS.

PASSO A PASSO

Fig. 1 Caso inicial - Coroa  provisória em resina acrílica

Fig. 1 Caso inicial - Coroa provisória em resina acrílica

Figs. 2 e 3 Remanescente coronário visão vestibular

Figs. 2 e 3 Remanescente coronário visão vestibular

Figs. 2 e 3 Remanescente coronário visão vestibular

Fig. 4 Isolamento Absoluto realizado

Fig. 4 Isolamento Absoluto realizado

Fig. 5 Remoção da guta-percha com broca de largo mantendo 5 mm na região apical

Fig. 5 Remoção da guta-percha com broca de largo mantendo 5 mm na região apical

 Fig. 6 Remoção da guta-percha com broca de largo mantendo 5 mm na região apical

Fig. 6 Remoção da guta-percha com broca de largo mantendo 5 mm na região apical

Fig. 7 Limpeza do conduto com escova intracanal

Fig. 7 Limpeza do conduto com escova intracanal

Fig. 8 Conduto pronto para receber o pino

Fig. 8 Conduto pronto para receber o pino

 Fig. 9 Prova do pino 1. Nessa foto é possível observar a falta de adaptação do pino Whitepost System DC 1

Fig. 9 Prova do pino 1. Nessa foto é possível observar a falta de adaptação do pino Whitepost System DC 1

Fig. 10 Esse espaço permite que o pino seja posicionado adequadamente no núcleo através do reembasamento com resina composta

Fig. 10 Esse espaço permite que o pino seja posicionado adequadamente no núcleo através do reembasamento com resina composta

Fig. 11 Pino posicionado centralizado ao futuro núcleo coronário

Fig. 11 Pino posicionado centralizado ao futuro núcleo coronário

Fig. 12 Isolamento do conduto com gel à base de água

Fig. 12 Isolamento do conduto com gel à base de água

Fig. 13 Isolamento do conduto com gel à base de água

Fig. 13 Isolamento do conduto com gel à base de água

Fig. 14 Após aplicação do adesivo e fotopolimerização por 20s, um cone de resina composta é realizado

Fig. 14 Após aplicação do adesivo e fotopolimerização por 20s, um cone de resina composta é realizado

Fig. 15 Pode ser observado o formato compatível com o conduto

Fig. 15 Pode ser observado o formato compatível com o conduto

Figuras.016

Figuras.017

Figuras.018

Figs. 16 a 19 Inserção do conjunto no conduto

Figs. 16 a 19 Inserção do conjunto no conduto

Fig. 20 Condensação cervical da  resina composta

Fig. 20 Condensação cervical da resina composta

Fig. 21 Fotopolimerização por 5s

Fig. 21 Fotopolimerização por 5s

Fig. 22 Marcação da face vestibular  do pino e remoção do pino modelado

Fig. 22 Marcação da face vestibular do pino e remoção do pino modelado

Fig. 23 Marcação da face vestibular  do pino e remoção do pino modelado

Fig. 23 Marcação da face vestibular do pino e remoção do pino modelado

Fig. 24 Pino modelado. Caso nesse  momento exista alguma retenção  é possível remover com um disco  de lixa

Fig. 24 Pino modelado. Caso nesse momento exista alguma retenção é possível remover com um disco de lixa

Fig. 25 Lavagem do conduto

Fig. 25 Lavagem do conduto

Fig. 26 Reinserção do pino e aplicação de um adesivo na porção coronal

Fig. 26 Reinserção do pino e aplicação de um adesivo na porção coronal

Fig. 27 Preenchimento com  resina composta

Fig. 27 Preenchimento com resina composta

Fig. 28 Preparo para coroa total concluído

Fig. 28 Preparo para coroa total concluído

Fig. 29 Remoção do pino modelado

Fig. 29 Remoção do pino modelado

Fig. 30 Remoção do pino modelado

Fig. 30 Remoção do pino modelado

Fig. 31 Pino anatômico pronto

Fig. 31 Pino anatômico pronto

Fig. 32 Lavagem e secagem do conduto com cones de papel

Fig. 32 Lavagem e secagem do conduto com cones de papel

Fig. 33 Aplicação do Adesivo Ambar Universal APS

Fig. 33 Aplicação do Adesivo Ambar Universal APS

Preenchimento com cimento Dual Allcem Core

Preenchimento com cimento Dual Allcem Core

Fig. 34 a 36 Preenchimento com cimento Dual Allcem Core

Fig. 34 a 36 Preenchimento com cimento Dual Allcem Core

Fig. 37 Após a inserção do pinos o excesso de  cimento é removido com um pincel

Fig. 37 Após a inserção do pinos o excesso de cimento é removido com um pincel

Fig. 38 Após a inserção do pinos o excesso de  cimento é removido com um pincel

Fig. 38 Após a inserção do pinos o excesso de cimento é removido com um pincel

Pino cimentado

Fig. 39 e 40 Pino cimentado

Fig. 39 e 40 Pino cimentado

Fig. 41 Preparo concluído após remoção do  isolamento absoluto

Fig. 41 Preparo concluído após remoção do isolamento absoluto

Fig. 42 Foto da cimentação fina

Fig. 42 Foto da cimentação final