Calendar icon

24/05/2021

Mega-abrasão e recontorno cosmético com resina composta: estratégias de mínima intervenção

Autores: Gregori Franco Boeira; Giulia Tarquino Demarco; Lisia Lorea Valente

Paciente: sexo feminino G.T.D, 21 anos.

Queixa Principal: “Insatisfação estética pelos manchamentos hipoplásicos e contornos dentais alterados que deixavam o sorriso infantil”.

AVALIAÇÃO CLÍNICA/RADIOGRÁFICA INICIAL

Após uma anamnese, avaliação clínica e radiográfica detalhada, complementada com transiluminação do elemento 22, foi observado que a paciente apresentava manchamentos hipoplásicos e contornos dentais alterados.

TRATAMENTO EXECUTADO

Alterações cromáticas, áreas hipoplásicas ou ausência de contornos dentais acabam influenciando todo o conjunto estético. Dessa forma, esse caso clínico teve como objetivo minimizar e melhorar áreas antiestéticas que não foram solucionadas com clareamento dental e microabrasão. O tratamento proposto foi mega-abrasão no dente com hipoplasia profunda e recontorno cosmético nos dentes ântero-superiores.

Considerando os produtos utilizados foi, primeiramente, executada a seleção de cor através da esfera de resina composta (Vittra APS, FGM) pré-polimerizada. Com o isolamento absoluto do tipo combinado do campo operatório, após seleção de cor, foi executada a mega-abrasão no dente 22 com ponta diamantada esférica 1014 (que apresentava a mancha branca profunda) de forma a apresentar-se o mais conservador possível.

Por conseguinte, foi executada a aplicação de sistema adesivo convencional de dois passos iniciando pelo condicionamento com ácido fosfórico 37% (Condac 37, FGM), seguido de aplicação do primer/adesivo (Ambar APS FGM) nos dentes (13,12,11,21,22 e 23) que passaram pela reanatomização.

Os dentes 13,12,11,21 e 23 foram reanatomizados com matriz biconvexa e resina composta de esmalte (E-bleach, Vittra APS, FGM) ) enquanto no dente 22, foi utilizada resina de dentina (DA1, Vittra APS, FGM), confecção dos mamelos dentinários (DA0, Vittra APS, FGM), resina de efeito (VH, Vittra APS, FGM) na região de halo opaco e resina de esmalte para cobertura (E-bleach, Vittra APS, FGM).

Por fim, executou-se texturização com materiais de acabamento como pontas diamantadas de granulação F/FF, discos abrasivos do mais para o menos granuloso e polimento com discos espirais, posicionando as arestas (linhas de brilho) e áreas de espelho e sombra através do espalhamento pelo dente adjacente.

Considerando o caso exposto acima, podemos concluir que foi alcançado resultado clínico satisfatório, mostrando que no mercado existem materiais capazes de mimetizar a estrutura dental e quando as técnicas são bem executadas consegue-se alto resultado estético para o clínico e paciente.

Legendas

Fig.1: Foto extra oral do sorriso inicial.

Fig.1: Foto extra oral do sorriso inicial.

Fig.2: Foto intra oral inicial em máxima intercuspidação habitual.

Fig.2: Foto intra oral inicial em máxima intercuspidação habitual.

Fig.3: Seleção de cor através das esferas pré-polimerizadas dos compósitos colocados na estrutura dental, fotopolimerizados e umidecidos.

Fig.3: Seleção de cor através das esferas pré-polimerizadas dos compósitos colocados na estrutura dental, fotopolimerizados e umidecidos.

Fig.4: Transiluminação no dente 22 para verificação da profundidade da mancha hipoplásica.

Fig.4: Transiluminação no dente 22 para verificação da profundidade da mancha hipoplásica.

Fig.5: Isolamento absoluto do tipo combinado do campo operatório.

Fig.6: Teste da ponta diamantada 1014 com o tamanho da mancha hipoplásica.

Fig.6: Teste da ponta diamantada 1014 com o tamanho da mancha hipoplásica.

Fig.7: Vista aproximada da ponta diamantada com o tamanho da área hipoplásica.

Fig.7: Vista aproximada da ponta diamantada com o tamanho da área hipoplásica.

Fig.8: Remoção da mancha hipoplásica do dente 22.

Fig.8: Remoção da mancha hipoplásica do dente 22.

Fig.9: Condicionamento com ácido fosfórico a 37% (Condac 37) nos dentes a serem reanatomizados.

Fig.9: Condicionamento com ácido fosfórico a 37% (Condac 37) nos dentes a serem reanatomizados.(Condac 37) nos dentes a serem reanatomizados.

Fig.10: Aplicação do primer/adesivo (Ambar APS) nos dentes que foram condicionados.

Fig.10: Aplicação do primer/adesivo (Ambar APS) nos dentes que foram condicionados.

Fig.11: Inserção do incremento de dentina (DA1, Vittra APS) no dente 22.

Fig.11: Inserção do incremento de dentina (DA1, Vittra APS) no dente 22.

Fig.12: Inserção do incremento de esmalte como última camada (E-bleach, Vittra APS) no dente 22.

Fig.12: Inserción del incremento de esmalte como última camada (E-bleach, Vittra APS) en el diente 22.

Fig.13: Reanatomização da face distal do dente 21 com matriz biconvexa.

Fig.13: Reanatomização da face distal do dente 21 com matriz biconvexa.

Fig.14: Reanatomização da face mesial do dente 21 com matriz biconvexa.

Fig.14: Reanatomização da face mesial do dente 21 com matriz biconvexa.

Fig.15: Contornos dentais dos dentes anteriores já restabelecidos.

Fig.15: Contornos dentais dos dentes anteriores já restabelecidos.

Fig.16: Marcação com lápis de cor e definição das arestas de brilho.

Fig.16: Marcação com lápis de cor e definição das arestas de brilho.

Fig.17: Vista aproximada dos contornos dentais restabelecidos.

Fig.17: Vista aproximada dos contornos dentais restabelecidos.

Fig.18: Foto intra oral em máxima intercuspidação habitual com os contornos dos dentes anteriores restabelecidos apresentando a mimetização dos compósitos com as estruturas dentais.

Fig.18: Foto intra oral em máxima intercuspidação habitual com os contornos dos dentes anteriores restabelecidos apresentando a mimetização dos compósitos com as estruturas dentais.

Fig. 19: Aspecto inicial (E) e final do sorriso (D).

Fig. 19: Aspecto inicial (E) e final do sorriso (D).

Fig.20: Vista aproximada dos contornos dentais restabelecidos.

Fig.20: Vista aproximada dos contornos dentais restabelecidos.

Fig.21: Vista lateral do sorriso finalizado.

Fig.21: Vista lateral do sorriso finalizado.